Segundo reportagem do Grupo GDI, da RBS,  ex-vices do Internacional assinaram notas de obras não feitas. A descoberta ficou por conta pela primeira vez vieram as notas fiscais da empresa Keoma Construção, Incorporação e Planejamento. Os dois ex-dirigentes do Inter Pedro Affatato e Emídio Ferreira deram aval para cobrar do clube por serviços que não foram encontrados pela consultoria EY (antiga Ernst & Young).

Foram obtidos sete dos 66 documentos fiscais da Keoma. Cinco dessas notas e sendo quatro delas sequenciais que foram emitidas entre 22 de maio e 25 de junho de 2015. Outras duas são de setembro do mesmo ano que durante a gestão do ex-presidente Vitorio Piffero. A cifra no total chega no valor de R$ 541.135,85. Essa empresa está sendo investigada por cobrar um total de R$ 5,3 milhões do clube.

Em entrevista para o Diário Gaúcho o proprietário da Keoma, Edson Joel Rodrigues, negou que tenha prestado algum serviço pelo clube. Além disso segundo dono ele afirmou que não conhece nem Pedro Affatato e Emídio Ferreira. Os dois ex-dirigentes do Internacional não quiseram se manifestar sobre as notas assinadas por eles na gestão de 201/2016.