O Estudiantes derrotou nesta terça-feira o Grêmio por 2 a 1 no Estádio José Luis Meizner pela primeira partida das oitavas de final da Libertadores. A equipe gremista teve atuação irreconhecível no primeiro tempo e podia ter custado caro para as pretensões do clube gaúcho na busca do tetracampeonato na competição. Na etapa final os mandantes não conseguiram manter a mesma disposição e tiveram um jogador expulso. Assim facilitou o trabalho gremista que até tentou chegar ao empate, mas sem sucesso.

Agora o Grêmio precisa por 1 a 0 que estará classificado para a próxima fase por causa do saldo qualificado. Os argentinos jogam pelo empate ou até por uma derrota de um gol caso faça tento em Porto Alegre. Se o resultado for igual do primeiro jogo, a decisão da vaga será nos pênaltis.

O jogo de volta está marcado para o dia 28, terça, às 21h45, na Arena. Pelo Brasileirão o Grêmio recebe no domingo o Vitória, às 19h, em Porto Alegre.

Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Jogo

Mesmo jogando fora de casa, o Grêmio começou tomando a iniciativa e buscando o gol. Já o Estudiantes ficou mais em seu campo e especulou os contra-ataques. Aos 07, Maicon faz um lançamento de trás do meio-campo, André chegou livre dentro da área e chutou à esquerda do gol Os argentinos surpreenderam os gaúchos logo na sequência conseguindo abrir o placar.  Aos 08, após dividida na entrada da área, Apaolaza girou para o chute e acertou o ângulo esquerdo de Grohe. Um golaço sem chances para o arqueiro gremista.

Agora o Tricolor Gaúcho saiu para cima na busca da igualdade. Aos 13, Luan cobrou o escanteio da esquerda, e Cícero cabeceou sozinho rasteiro para defesa de Andújar. Os donos da casa seguem com a mesma proposta de jogo deixar a bola para os visitantes e tentar ampliar o placar em jogadas de velocidade. Por sua vez, o Grêmio tem encontrado muita dificuldade de penetrar na defesa dos argentinos.

Depois dos 30 minutos, o jogo esquentou com disputas ríspidas entre  gaúchos e argentinos. Aos 33, Rodríguez tocou para Apaolaza dentro da área, Marcelo saiu com um tapa por baixo, e Marcelo Oliveira estourou com o adversário. O goleiro e o lateral batem boca após o lance. Aos 37, Rodríguez bateu o escanteio da esquerda, e Campi saltou mais alto que a defesa do Grêmio para acertar um belo cabeceio no canto oposto de Marcelo Grohe.

Sem conseguir jogar pelo chão, o Grêmio apostou na bola aérea e diminui o prejuízo. Aos 43, Luan cobrou o escanteio da esquerda, André cabeceou na primeira trave, Andújar faz uma linda defesa à queima-roupa, mas Kannemann estava atento no rebote para cabecear para o fundo do gol.

Do meio pra frente, os comandados do técnico Renato Portaluppi não conseguiram levar perigo a meta de Andújar. Enquanto isso o Estudiantes se mostrou um time com mais disposição e determinação em campo o que provocou muitos problemas no sistema defensivo gremista.

Por pouco nesse começo de segundo tempo, numa boa trama do ataque gremista não chegou ao empate. Aos 03, Luan encontrou André em velocidade pela esquerda, ele invadiu a área, deixou o adversário no chão e chutou cruzado para fora. O Tricolor Gaúcho conseguiu segurar o ímpeto dos mandantes. Na etapa inicial os argentinos fizeram uma correria e não tiveram forças para manter o mesmo ritmo. Com uma atuação apagada o centroavante André foi sacado para a entrada de Jael.

Houve uma queda de qualidade técnica na partida com os dois times não conseguindo criar oportunidades de gols. O jogo seguiu se desenvolvendo apenas no meio-campo e sem perigo para os dois goleiros.

Para explorar as bolas altas, o atacante Marinho, aos 27, fez boa jogada pela direita e cruzou na medida para Jael cabecear em cima do goleiro argentino. Três minutos depois a resposta do Estudiantes, Pellegrini completou o cruzamento da esquerda um pouco desequilibrado e o goleiro gremista segurou firme. Aos 31, Zuqui foi mais cedo para o chuveiro ao fazer falta em Kannemann.

Com um a mais em campo, o Grêmio se soltou para frente na busca do gol de empate. Entretanto as últimas tentativas gremistas foram infrutíferas e os argentinos mantiveram a vantagem até o final.